meditação

Estive internado no Verão. Nessa altura ofereceram-me um pequeno , daqueles clássicos intemporais como entretém para poder matar as horas na convalescença. O livro era A de Ivan Ilitch de Liev Tolstói que eu imperdoavelmente nunca tinha lido.

Talvez não seria uma boa opção de leitura, para alguém que está doente, mas mesmo assim deixei-me a envolver nessa obra literária e na sua história de um dos maiores nomes da literatura russa. A história relata o desenlace inalterável da morte, que um burguês tem que suportar de uma forma particularmente estranha e quase assustadora. O pobre personagem principal é um moribundo, que sem saber que o é, vive num pesadelo onde a doença o vai dominando aos poucos até o cobrir num manto de morte.

Numa cama de hospital, lendo tal obra, não pude deixar de imaginar tal , esse desconforto aterrador de lutar contra a inevitável morte, que tal como no livro, podia-se-ia estar a passar paredes meias comigo.  Alguém, perto de mim, poderia estar tal como a personagem principal do livro, a ter uma luta pela sobrevivência e contra a dor, sem qualquer sucesso como se fosse uma via sacra. Esse pensamento de ter um vizinho real, vivendo nessas circunstancias, foi-me muito ingrato e  de certo modo temporário muito desanimador.

Sempre vi os hospitais, como locais de esperança e de vida, não como zonas de desespero e morte. Eu salvei-me num hospital quando era adolescente, lutei pela vida e sobrevivi e dessa forma, encarei sempre os hospitais como locais de luta pela sobrevivência.

Com essa leitura não pude deixar de , tal como me recordei da tradição budista, de se ter a lembrança que a morte é um evento que está presente ao virar da esquina. O Maranasati como meditação procura estabelecer um estado de espírito, em que se vive sabendo que a morte não é um evento eventual, mas uma certeza inescapável que acontecerá a qualquer altura, seja no próximo segundo ou daqui a cinquenta anos. E por isso esse é mais intenso e consciente, pois se interioriza como é passageira a nossa existência neste plano temporal.

E foi assim que um livro escrito à 135 anos, na sua actualidade me chamou a atenção que a vida não se deve viver em função de um propósito meramente consumista e vazio, mas sim repleta de propósito intrínseco. Serviu para algo a minha doença, no mínimo para me relembrar dessa maneira de ser tão importante.