portugal

Acabei recentemente de ouvir um delicioso audiolivro, um clássico disponível na librivox. Tratava-se de “Memórias póstumas de Brás Cubas” de Machado de Assis e fiquei maravilhado com o e pela história que retratava uma boa parte do século XIX brasileiro.

Nesta história, Brás Cubas, um aristocrata carioca, de fortuna de segunda que tem pretensões políticas e deixa-se envolver por uma filosofia denominada humanitismo.

Foi com muito prazer que segui a intriga do livro um romance de epóca, mas foi na descoberta desta pseudo-filosofia do humanitismo, que considero que Machado de Assis brilha, no seu poder de descrição do pensamento acerca do poder dos mais fortes que impera desde o séc XIX e está a chegar ao séc XXI.  Quando Machado de Assis escreve, ele tem ainda a noção da escravatura na pele e na cultura da época e da sua explicação mesmo nos meandros filantrópicos, que desculpabilizam a sua ignóbil existência.

Nesta caricatura feroz, onde o nosso herói e o principal autor e líder do humanistimo- Quincas Borba, as duas personagens inesquecíveis caem na loucura embevecidos pelas suas ideologias.

Nesta cultura, não muito distante da cultura portuguesa e até europeia, o livro descreve um cenário onde essa lei do mais forte impera e legitima a existência de colónias e o massacre dos indígenas. É puro humanistimo, mas que tristemente este repulsivo meio de enquadrar o e a realidade, ultrapassa esta literatura e é pura realidade. Ficou visível na ascensão do fascismo passados 50 anos e por sua vez  seguida pelo Nazismo e o holocasto. Um culminar de desumanidade previsto nesta caricatura de filosofia.

Foi, portanto, uma pérola filosófica, onde o autor enquadra com cinismo um pensamento que imperava na época e que teve um desenlace que levou a duas guerras mundiais com epicentro na .  O humanitismo é uma sátira do positivismo e de uma crença na superioridade e do nacionalismo que infelizmente hoje está novamente a crescer bem debaixo dos nossos narizes.

Até quando o ser humano, minimamente informado e letrado, pode nessa noção de superioridade pela cor da pele, ou pelo local de nascimento do seu BI, ou da religião que seguimos? Seremos tão ridículos que caiamos nestas armadilhas de sentimentos tão negativos pelo impulso do Ego?    Felizmente tenho a noção que tenho a consciência da irmandade humana, e creio que consegui incutir nos meus filhos a noção de empatia com todo o ser humano.  Sem isso, não creio que possamos ser seres humanos em todo a sua plenitude.

Depois do grande cataclismo que foram os incêndios do , ficou em mim um enorme ressentimento acerca da catástrofe que se abateu sobre o meu país. Não só pelo número de vidas perdidas, não pelos prejuízos monetários e ecológicos, nem pela incapacidade governativa e estatal de intervir neste desastre. O que a mim me faz uma profunda tristeza e até vergonha é sentir que nada de realmente importante foi feito nas últimas décadas para evitar, que em anos de seca e calor como este ano, Portugal se transforme num braseiro incontrolável.
Para minha surpresa, cheguei a desejar o que nunca tinha antes desejado: que chegasse o frio e a chuva.

Agora que só sobram as cinzas deste Verão longo e seco, onde uma centena de vidas foi ceifada pelos fogos que consumiram quase meio Portugal, que o luto se foi e os políticos fizeram as suas politiquices, ministros demitidos e anúncios de novas medidas, cenas que todos queremos esquecer, fico com o amargo de boca de que tanta tinta tem corrido, do que não se fez e do que deveria ter sido feito.
Nas redes sociais e nas conversas de café não faltaram acusações aos supostos responsáveis dos incêndios e da incapacidade de combate aos dois domingos negros que tantas lágrimas fizeram derramar. Um infindável apontar de dedos as causas da catastrofe: aos incendiários, à falta de meios de combate aos fogos, aos eucaliptos, a falta de lipeza das matas, a desorganização da proteção civil, as falhas de comunicação, os interesses ocultos dos madeireiros, da industria da celulose e da industria de aluguer de meios aéreos no combate a incêndios.

No meu mosdesto ponto de vista a grande falha de toda esta tragédia não foi um cenário de perfect storm, um conjunto de eventos e entidades mal preparadas que contribuíram para este nefasto resultado de cinzas.
O grande contributo no meu ponto esse sim foram as décadas de incúria do estado e desertificação do interior, fruto de políticas que ano após ano não investem no interior do país, nem no bem estar das populações do interior, assim como a total incapacidade de formar uma política florestal e ecológica adequada ao clima em que se insere Portugal continental. Nenhum governante português nas ultimas legislatura teve o mais pequeno interesse em resolver os problemas estruturais da floresta portuguesa, que representa uns impressionantes 10% das exportações do país e cobre cerca de 30% do território.

Um país que não gere os seus recursos eficazmente, e que deixa um terço do território por regulamentar, ordenar e fazer a sua manutenção é um país gerido por gente incauta e sem visão. Há dinheiro para os valentes bombeiros, mas não há fundos para guardas florestais. Alugam-se canadairs mas não se fazem as limpezas das matas do estado.
Depois, quando as desgraças acontecem, a falta de antecipação para os problemas de quem lidera o país é notória. Só se apagam incendios, nada se faz para os evitar Talvez se revermos o história de Portugal entendamos esse problema ao longo dos séculos, fomos quase sempre órfãos de lideres capazes de vislumbrar o e os problemas de gestão que se colocam ao estado. Desenrasca-se e nunca se antecipa. Concerta-se mas não se prepara.

O clima Portugal e a sua flora autóctone são semelhantes ao resto da orla mediterrânea, onde no pino de verão existirá sempre temperaturas elevadas e muito seco propicio ao aparecimento de incêndios. E se os castanheiros e sobreiros ardem com menos intensidade, o mesmo não se pode dizer de um eucalipto em cultivo incentivo e desordenado, ou de pinhais onde não são feitas limpezas e se acumula durante anos caruma.
No fundo tudo é deixado ao abandono. Depois arde. E restam as cinzas.

No rescaldo das eleições autárquicas, às quais prestei talvez demasiada atenção, sinto uma enorme repulsa para o nível de debate político que assisti, não só na minha localidade assim como para todo país. Na minha cidade de residência – onde pelas minhas contas terá tidos os potenciais eleitores inundados por 10 euros de campanha eleitoral por cabeça, e depois de abstenção deverá rondar 20 euros a cabeça – segue já para o tribunal constitucional a impugnação do resultado eleitoral. Se a campanha tinha tido momentos de podridão então o seu rescaldo passa por arrastar de ressabiamento jurídico.

Lembrei-me entretanto de alguns textos que li há uma boa vintena de anos atrás, quando devorei de uma assentada uma dúzia de obras de Eça de Queirós e que tive o prazer de me deparar com «Uma campanha Alegre», onde aquele grande da escrita retratava com tom critico e jocoso tão peculiar, aquele Portugal de 1890. Encontra-se passados mais de 120 anos enormes paralelismos, não da democracia per si, mas dos líderes e políticos que se apresentavam a votos. Desde os principais que não tinham nada que os diferenciasse em concreto e que reuniam muitos votos de fieis e ferrenhos apoiantes, até a uma cultura do cacique que se mantém no poder e o transmite aos seus herdeiros, onde o seu nome representa votos da sociedade analfabeta da altura. Tal como hoje, a sociedade iliterada e de parcas noções de civismo, onde autarcas condenados e presos por corrupção quando exerciam os seus cargos são reeleitos e onde certas cidades continuam feudos de determinados partidos independentemente de quem der a cara pelo cargo, ou se reelegem um presidente tenha ou não ter tido um bom desempenho no cargo.

Nesta cidade os outdoors surgiram como cogumelos exibindo um nome de a negrito de um candidato à câmara municipal, que por sinal tinha trocado de cores partidárias. Uma campanha recheada de fundos onde o candidato exibia o nome do seu falecido pai como uma mais-valia, apesar de não mostrara sua carreira de cargos conseguidos com a intermediação do famigerado Senhor Cunha que deram frutos catastróficos a duas instituições da cidade, com inclusivamente a falência de uma delas. Mas como falamos de Portugal, o politiqueiro tachista, o vira-casacas e o corrupto, são provavelmente os lideres políticos mais abundantes.

A política interessa-me e simultaneamente dá-me um enorme nojo. Primeiro porque gere o presente, o nosso dia-a-dia, direta ou indiretamente, e além disso é uma espécie de planear do que envolve toda a nação. Porém a repulsa que me apoquenta é enorme e prende-se com as personagens que temos na campo político que temos.

Depois das eleições assistimos uma palaciana, entre ajuntamentos improváveis e compadrios insólitos, agendas ocultas e insultos. Dramas teatrais com tomadas de posse de governos de duas semanas e a atitudes de um Presidente da República que mais parecia um dirigente desportivo. Tudo se jogou debaixo da mesa e os perdedores que se acharam vencedores fizeram birra.

Foi talvez demasiado triste e deixou óbvio que por detrás de divisões de doutrina e ideias políticos apenas se escondem egos e ambições e não o civismo e cidadania que são a génese do que idealizamos por democracia.

Não nos enganemos que o que chama um líder ao poder não é o dever de estado, mas sim a ambição de poder, mas atualmente neste Portugal infelizmente não há líderes. Tão só não há líderes, como também os que tentam fazer esse papel não passam de técnicos maquiavélicos de intrigas de bastidores. São pessoas que fizeram carreira na política sem darem mostras de nenhum predicado a não ser a retórica, troca de favores e movimentos de bastidores. São tão só lambe-botas que chegaram ao poleiro. E como é só isso que são capazes de fazer, seus únicos predicados, tornam-se dirigentes de um país totalmente incapazes de governar e fazer reformas necessárias.

E assim parece que a nossa democracia se vê mergulhada num ciclo vicioso de governos medíocres e ausência de lideres capazes. Mas pensando bem esse foi sempre o cariz da história portuguesa: somos um país e um povo com potencial desbaratado por chefes incapazes.