tempo

As férias passam apressadamente quando estamos felizes com a família ou com os amigos. Possivelmente estar feliz é sinónimo de o nosso cérebro abrandar dando assim a impressão que o tempo se desloca de uma forma mais rápida.

Hoje que as férias se esfumaram o meu cérebro está a processar a todo o ritmo e os segundos do meu Casio teimam se sucederem cada vez mais lentamente. É isto a relatividade do tempo

Nestes tempos tenho andado a devorar livros. Reencontrei o prazer de ler, e ler com ânsia, como na minha adolescência.  Alguns livros excelentes, outros nem por isso, mas a minha fome parece insaciável. O problema é que os livros são caros e tenho que atacar livros de segunda escolha e estavam esquecidos na estante.

Não obstante estar a ler livros de segunda escolha, tenho me deliciado com algumas agradáveis surpresas literárias. Agora preciso de algo pesado e arrebatador. Talvez um Henry Miller ou  Chuck Palahniuk. Para a cabeça. 

É fácil perder a perspectiva do horizonte, quando nos perdemos no curto prazo. As necessidades corriqueiras são empoladas no corre-corre diário de inúmeras inutilidades e aborrecimentos de circunstância fugazes.

Viver ao sabor da maré é algo aterrador e para mim é motivo de desconforto. Já vivi imenso tempo assim, se é que se pode chamar a isso viver. Poder perscrutar a longo prazo onde se quer ir e não deixar que as borrascas e ventos contrários nos impeçam de perseguir os nossos sonhos é importante para Viver.

Mas o que é realmente importante é ter sonhos que perseguir. Sem isso está-se morto.

Nem sempre as palavras fluem com a regularidade que as desejamos. Vulgarmente sou fustigado com um incomodo período de procrastinação que de tempos a tempos vem bater à minha porta.

Mas o que interessa nem sempre tem tradução em palavras – apenas é passível de se tentar descrever num conjunto confuso de frases sem nunca se conseguir um mísero texto que se adeqúe ao estado de alma que se quer transmitir. Por isso nem sempre faz sentido expor ao mundo por palavras o que se sente ou faz.

Além disso a audiência que presumo existir provoca uma timidez infame, um medo que o nosso retrato vivencial seja mal entendido ou mal descodificado, um mal que já me persegue há muito.

Mas estes argumentos são meras desculpas e a programção segue dentro de momentos…