mundo

Acabei recentemente de ouvir um delicioso audiolivro, um clássico disponível na librivox. Tratava-se de “Memórias póstumas de Brás Cubas” de Machado de Assis e fiquei maravilhado com o livro e pela história que retratava uma boa parte do século XIX brasileiro.

Nesta história, Brás Cubas, um aristocrata carioca, de fortuna de segunda geração que tem pretensões políticas e deixa-se envolver por uma filosofia denominada humanitismo.

Foi com muito prazer que segui a intriga do livro um romance de epóca, mas foi na descoberta desta pseudo-filosofia do humanitismo, que considero que Machado de Assis brilha, no seu poder de descrição do pensamento acerca do poder dos mais fortes que impera desde o séc XIX e está a chegar ao séc XXI.  Quando Machado de Assis escreve, ele tem ainda a noção da escravatura na pele e na cultura da época e da sua explicação mesmo nos meandros filantrópicos, que desculpabilizam a sua ignóbil existência.

Nesta caricatura feroz, onde o nosso herói e o principal autor e líder do humanistimo- Quincas Borba, as duas personagens inesquecíveis caem na loucura embevecidos pelas suas ideologias.

Nesta cultura, não muito distante da cultura portuguesa e até europeia, o livro descreve um cenário onde essa lei do mais forte impera e legitima a existência de colónias e o massacre dos indígenas. É puro humanistimo, mas que tristemente este repulsivo meio de enquadrar o mundo e a realidade, ultrapassa esta literatura e é pura realidade. Ficou visível na ascensão do fascismo passados 50 anos e por sua vez  seguida pelo Nazismo e o holocasto. Um culminar de desumanidade previsto nesta caricatura de filosofia.

Foi, portanto, uma pérola filosófica, onde o autor enquadra com cinismo um pensamento que imperava na época e que teve um desenlace que levou a duas guerras mundiais com epicentro na Europa.  O humanitismo é uma sátira do positivismo e de uma crença na superioridade e do nacionalismo que infelizmente hoje está novamente a crescer bem debaixo dos nossos narizes.

Até quando o ser humano, minimamente informado e letrado, pode acreditar nessa noção de superioridade pela cor da pele, ou pelo local de nascimento do seu BI, ou da religião que seguimos? Seremos tão ridículos que caiamos nestas armadilhas de sentimentos tão negativos pelo impulso do Ego?    Felizmente tenho a noção que tenho a consciência da irmandade humana, e creio que consegui incutir nos meus filhos a noção de empatia com todo o ser humano.  Sem isso, não creio que possamos ser seres humanos em todo a sua plenitude.

Necessitei de um período de nojo, ou melhor de luto para processar a grande derrocada da democracia mundial. O suposto bastião da democracia ocidental elegeu para chefe supremo, o magnata Donald Thrump, e isso deixou-me incapaz de tecer durante algum tempo qualquer resquício do opinião serena sobre o mundo. Pareceu-me que a democracia estaria para todo o sempre condenada a ser alvo de manipulações populistas, em que a vontade do Povo e conduzida para um voto enganador de promessas incoerentes.

Agora que passaram mais de três meses sobre esse facto e também se oficializou a saída do Reino Unido da União Europeia, já digeri que vivemos uma época de alterações na política internação que revelam um futuro menos risonho, sem que no entanto tenhamos chegado ao Apocalipse. De facto o populismo com o auxilio do medo do terrorismo têm tomado conta do mundo. É fácil para pequenas figuras sem ideais profundos se revestirem de uma aura de autoridade e segurança falsos que motivem os eleitores menos avisados a votarem neles. Putin, Erdogan, Maduro e Donald Trump são figuras autoritárias que se alimentam de um resquício de nacionalismo misturados o falso sentimento dos perigos externos que ameaçam a segurança interna por via do terrorismo, e dos emigrantes como ameaça à economia pelo aumento do desemprego e das potências estrangeiras maléficas.

E no paradigma do inimigo que vem de fora, que nos invade, que é fácil influenciar o eleitorado descontente, que procura respostas fáceis mas muitas vezes ineficazes como o levantamento de muros ou a proibição de entrada de cidadãos estrangeiros. A verdade é que o populismo se alimenta da ignorância e de informação enviesada, para fundamentar as suas propostas e se impor no mundo ocidental – no fundo não de forma muito diferente que os Kim têm feito na Coreia do Norte durante 60 anos ou a China de partido único. As verdades alternativas, a negação da informação dos media, a manipulação da informação são sinais do tempo em que o verdadeiro poder é a desinformação. Por isso é que o ex-KGB perito nessa ciência de contra-informação bélica e ciber-terrorismo mantém o poder com braço de ferro e extrema popularidade na Rússia. E é assim também que a presidência dos EUA cumpre o inicio do seu mandato, fazendo todos os esforços possíveis para manipular a informação. Um admirável mundo novo

Porém acredito que manipular a informação não chega. Se as medidas políticas dão maus resultados económicos e sociais de nada serve contra-informar os cidadãos, quando se sente na pele a ineficácia, como no caso do Chavismo e de como o Maduro tem destruído a Venezuela. Talvez o mundo acorde quando o Brexit destruir empregos e o Trump faça dos Estados Unidos passe a ser a segunda maior potência economica…

Dizes-me: tu és mais alguma cousa
Que uma pedra ou uma planta.
Dizes-me: sentes, pensas e sabes
Que pensas e sentes.
Então as pedras escrevem versos?
Então as plantas têm idéias sobre o mundo?

Sim: há diferença.
Mas não é a diferença que encontras;
Porque o ter consciência não me obriga a ter teorias sobre as cousas:
Só me obriga a ser consciente.

Se sou mais que uma pedra ou uma planta? Não sei.
Sou diferente. Não sei o que é mais ou menos.

Ter consciência é mais que ter cor?
Pode ser e pode não ser.
Sei que é diferente apenas.
Ninguém pode provar que é mais que só diferente.

Sei que a pedra é a real, e que a planta existe.
Sei isto porque elas existem.
Sei isto porque os meus sentidos mo mostram.
Sei que sou real também.
Sei isto porque os meus sentidos mo mostram,
Embora com menos clareza que me mostram a pedra e a planta.
Não sei mais nada.

Sim, escrevo versos, e a pedra não escreve versos.
Sim, faço idéias sobre o mundo, e a planta nenhumas.
Mas é que as pedras não são poetas, são pedras;
E as plantas são plantas só, e não pensadores.
Tanto posso dizer que sou superior a elas por isto,

Como que sou inferior.
Mas não digo isso: digo da pedra, “é uma pedra”,
Digo da planta, “é uma planta”,
Digo de mim, “sou eu”.
E não digo mais nada. Que mais há a dizer?

Alberto Caeiro, in “Poemas Inconjuntos”
Heterónimo de Fernando Pessoa